Piloto Privado – O Primeiro passo obrigatório!

A formação de piloto de avião possui uma hierarquia de licenças de voo. Portanto, independente do seu objetivo final nessa profissão, você terá de começar pela primeira delas, a habilitação de PP – Piloto Privado, a qual tem como objetivo capacitar o candidato a operar uma aeronave da Classe MNTE (Monomotor Terrestre). Após formado, o piloto estará habilitado a operar qualquer aeronave dessa classe, podendo voar com sua família e amigos, mas jamais podendo trabalhar profissionalmente ou ter lucro financeiro com essa atividade, pois para isso é obrigatória a segunda habilitação da hierarquia, a de Piloto Comercial.

 

Há dois requerimentos para você iniciar este primeiro curso:

  • Ter 16 anos ou mais (sendo necessário completar 18 anos para voar solo e se formar)
  • Ter concluído ou estar cursando o Ensino Médio (sendo necessário completá-lo para se formar)
 

Tanto essa, quanto as futuras habilitações da ocupação de piloto, na maioria das vezes possuirão basicamente as seguintes etapas:

  • Curso teórico
  • Prova teórica da ANAC
  • Exame médico
  • Curso prático
 
 

Mas antes de começarmos a detalhar cada uma das etapas, temos de explicar algumas variantes que existem no regulamento e na formação, que poderão ser úteis no planejamento que você pense em montar.

O primeiro ponto é que o curso teórico e exame médico não estão interligados, ou seja, é de sua escolha optar qual fará primeiro. Se você estiver com dúvidas quanto a sua saúde, é recomendável priorizar o exame médico, pois se estiver inapto, não perderá tempo no curso teórico. Por outro lado, caso esteja em boa forma e saúde, recomenda-se fazer o exame médico perto do final do curso teórico. Desse modo, você aproveitará a validade do mesmo com uma maior folga. O exame médico será obrigatório apenas a partir do início do curso prático, as aulas de voo, vendo que sem ele você não poderá sair do chão.

Outro ponto relevante é a possibilidade de fazer até 50% do curso prático sem fazer – ou enquanto finaliza – o curso teórico, sendo portador apenas do exame médico nesse período. Apesar de mais dinâmica, essa decisão deve ser avaliada, pois seu rendimento como piloto-aluno poderá ser prejudicado devido a sua falta de conhecimento teórico, o que poderá causar reprovações em algumas aulas de voo e treinamentos de procedimentos práticos. Devido a isso, boa parte dos alunos seguem o conceito de “não dar um passo maior que a perna”, e começam a pensar no curso prático apenas quando já estão aprovados no exame médico, no curso teórico e na Prova da ANAC.

Uma característica relevante ainda neste campo, é o fato de que o curso teórico de Piloto Privado não é obrigatório, e assim sendo, é possível você comprar os livros do curso e estudar sozinho em casa. Por um lado você economizará o valor do curso teórico, mas por outro lado há o risco do seu estudo auto-didata não ser eficiente o bastante. Muitas pessoas já conseguiram ser aprovadas assim, mas depende da força de vontade e dedicação de cada um, portanto pense bem antes de tomar a decisão. Adicionalmente, nada lhe impede de juntar as duas modalidades, e comprar os livros meses antes de iniciar o curso teórico, para ir se ambientando com a matéria.

A idade de 16 anos completos é atualmente a mínima para se iniciar a formação. A maioridade de 18 anos será necessária apenas para “voar solo” (voar sozinho, sem o Instrutor de Voo) e para fazer o voo de check, para se obter a habilitação. Porém, algumas clínicas, hospitais e escolas de curso teórico podem afirmar que a idade mínima na verdade é 17, ou até 18 anos. A grande maioria diz isso por simplesmente não saber interpretar a particularidade citada no início deste parágrafo, ou por não saber que desde 2012 esse piso de idade baixou de 17 para 16 anos. Nesses casos, cabe a você insistir dizendo que, segundo o RBAC 61 publicado em 2012, o mínimo é sim de 16 anos.

Para realizar a matrícula do curso teórico e o exame médico com essa idade, a autorização ou até a presença do responsável poderá ser solicitada, e para dar início ao treinamento prático nessa faixa etária, o aluno poderá/terá de apresentar ao aeroclube ou escola de aviação uma autorização do responsável legal, assinada e reconhecida em cartório.

Dentre os documentos para matrícula no aeroclube/escola de aviação, poderão requerer seu Certificado de Reservista, mas obviamente com 16 anos ninguém o possui. Portanto, cabe mais uma vez você insistir, afirmando que em nenhum RBAC isso é exigido. Esse requerimento é mero costume dos aeroclubes/escolas desde os primórdios da aviação. Caso insistam, o argumento imutável é que as mulheres por exemplo, não possuem tal documento, vendo que não realizam o alistamento obrigatório, e mesmo assim podem se formar normalmente.

Juntando tudo o que vimos até o momento, haverá um ponto chave ao se iniciar o treinamento com essa idade. Caso o aluno que tenha iniciado o curso com 16 anos atinja 50% do curso prático, que é o momento do primeiro voo solo, e ainda não tenha 18 anos completos, o mesmo terá de pausar seu treinamento e aguardar até completar a idade mínima. Devido a isso, é importante analisar o correto momento para o início da sua formação, pois se essa pausa se mostrar necessária, você poderá ficar quase 2 anos sem voar, o que irá inevitavelmente prejudicar seu aproveitamento.

ALEXANDRE SALES

Alexandre Sales iniciou sua formação aeronáutica em São Paulo aos 17 anos de idade. Atualmente é formado como Piloto Privado, Piloto de Ultraleves, e também ministra instrução teórica. Paralelamente à aviação, fundou e administra o Canal Piloto, o maior site de informação sobre formação aeronáutica do Brasil.

Este artigo foi gentilmente cedido pelo site Canal Piloto, o maior site e canal no Youtube de informações sobre Formação Aeronáutica do país. Acesse-os clicando nas imagens abaixo!

COMPARTILHE:

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on print
Print