Conheça as aeronaves que se tornaram telescópios voadores da NASA

Tempo de leitura: 3 minutos

Os estudos astronômicos sempre foram um fascínio da humanidade e com o avanço da tecnologia, pode-se observar diversas novas galáxias, planetas, cometas, etc. Entretanto a atmosfera terrestre, mais precisamente a camada mais baixa, a Troposfera, limita alguns tipos de pesquisas a partir de telescópios terrestres devido a sua própria composição.

A radiação infravermelha é um comprimento de onda de luz invisível ao olho nu, e a partir dela são feitas diversas observações muito importantes, principalmente de planetas, galáxias, estrelas etc. muito distantes, porém a grande presença de vapor d’água na troposfera dificulta muito o estudo dessa luz através do solo, pois maior parte dela é barrada nesta camada antes de chegar ao solo e foi pensando nisso que a NASA instalou, na década 1960, um telescópio em aeronaves para ultrapassar a maior parte da troposfera durante os voos com a intenção realizar observações astronômicas no comprimento de luz infravermelho, além da possibilidade de realizar observações de qualquer lugar do planeta em voo.

A primeira aeronave destinada especificamente para essa função foi um Convair 990, entretanto, essa aeronave foi destruída em 1973 após colidir com uma aeronave da marinha. Apesar do acidente, esse experimento foi um sucesso e em 1974 um cargueiro militar Lockheed C-141 foi convertido para realizar observações, com capacidade de subir a 48.000 ft (14 km) de altitude. Essa aeronave operou até 1995 quando foi aposentada.

 Com a aposentadoria dessa aeronave em mente, já nos anos 1990, a NASA em parceria com a agência espacial alemã começou a desenvolver um substituto, com um novo e muito maior telescópio, que viria a ser instalado em um Boeing 747SP que tinha sido aposentado do uso comercial e comprado pela NASA em 1997. Essa aeronave era antiga, foi entregue em 1977 a Pan Am, onde operou até 1986, após foi comprada pela United Airlines operando até 1995, quando foi estocada em Las Vegas.

 Com um peso de 20 toneladas, o telescópio era o maior já instalado em uma aeronave, com 2.7 metros de diâmetro, 0.3 maior que o Hubble. Uma secção gigantesca da fuselagem teve que ser aberta para que uma porta fosse colocada para permitir observações, isolado da área pressurizado da aeronave, o telescópio era mantido sobre um sofisticado sistema de suporte e estabilização, para que não sofresse interferências das vibrações da aeronave.

As obras de instalação duraram de 1998 a 2010, quando a aeronave começou a voar com o telescópio. Em 2012, o 747SP, nomeado Stratospheric Observatory for Infrared Astronomy (SOFIA), recebeu um retrofit no flight deck, pois o original possui tecnologias obsoletas. Porém foi apenas em 2014 que a aeronave SOFIA realmente entrou em operação.

 Variadas descobertas e importantes contribuições astronômicas foram realizadas, como a detecção de oxigênio atômico na atmosfera de Marte e confirmação da presença de partículas de água na região iluminada da Lua em 2020.

Com um custo de desenvolvimento de 1 bilhão de dólares e 85 milhões para operação anual, a NASA determinou que outros projetos fariam um melhor uso do dinheiro, levando a SOFIA a ser aposentada. O 921° e último voo com fins científicos foi realizado em 29 de setembro de 2022 após 12 anos de serviço, ao contrário dos 20 que foram imaginados. Em 13 de Dezembro de 2022, a aeronave pousou pela última vez no aeroporto de Tucson para se juntar à coleção do Pina Air & Space Museum, no estado do Arizona, nos Estados Unidos.

 Por mais que a SOFIA tenha sido aposentada, suas contribuições e descobertas continuarão a ser estudadas por décadas a fio.

Convair 990 que se acidentou, um Learjet também foi utilizado em 1968 para observações 

Lockheed C-141 e o Boeing 747SP ‘’SOFIA”

SOFIA durante as operações comerciais na Pan Am e durante voo para observação

Interior da SOFIA

Flight Deck modernizado da SOFIA

Comparação entre os tamanhos de telescópios instalados no Learjet, C-141 e Boeing 747SP ‘’SOFIA’’

Modificações necessárias para instalação do enorme telescópio

Referências

Nesse link é possível ver o flight deck em 360°: https://www.360cities.net/pt/image/747-cockpit-of-nasa-sofia-plane-california

https://en.wikipedia.org/wiki/Stratospheric_Observatory_for_Infrared_Astronomy

https://www.nasa.gov/feature/history-of-airborne-astronomy-at-nasa