Conheça o Gloster Meteor, o primeiro caça a jato da Força Aérea Brasileira

Durante os anos de 1930 a aviação a jato já estava sendo desenvolvida na Alemanha e Inglaterra, porém foi o modelo inglês Gloster Meteor que se tornou a primeira aeronave a jato dos aliados durante a Segunda Guerra Mundial. Essa aeronave não chegou a entrar em combate com seu contemporâneo e superior ME 262, porém foi utilizado em missões de reconhecimento, ataque ao solo e destruição de bombas voadoras V-1 durante o conflito. Nesse texto conheceremos um pouco melhor essa aeronave, que veio a se tornar a primeira aeronave a jato da Força Aérea Brasileira.

Após o fim da Segunda Guerra em Setembro de 1945, a aviação a jato começou a ser cada vez mais presente, a Guerra da Coréia (1950-1953) foi o primeiro conflito no qual aeronaves a jato foram utilizadas como os principais vetores aéreos, empregando modelos como o F-86 Sabre dos Estados Unidos e o MIG-15 da União Soviética, deixando os icônicas caças a pistão do conflito anterior com funções secundárias.

Provando ser uma excelente aeronave a jato, o Gloster Meteor foi um sucesso comercial, com mais de 3.900 unidades vendidas, inclusive na América Latina. Em 1947, a Argentina, adquiriu impressionantes 100 unidades desse modelo, financiados em parte pelos recursos recebidos dos Estados Unidos durante a guerra para a compra de matéria-prima. Essa aquisição de tantas unidades transformou a Argentina na nação mais bem equipada militarmente da região.

Ciente dessa situação e do obsoletismo dos equipamentos da nossa força aérea, a FAB começou a procurar por aeronaves a jato, os Estados Unidos por motivos políticos não queriam vender seus modelos, como o P-80, enquanto a Inglaterra, que estava se reconstruindo após a guerra e precisava de recursos financeiros e materiais, acordou receber 15 mil toneladas de algodão em troca de 70 unidades do já também obsoleto Meteor, 60 na versão F-8 e a 10 na versão de treinamento TF-7. Ambas versões possuindo motores Rolls-Royce Derwent 8 com 3.600 libras de empuxo cada, permitindo o caça alcançar a velocidade máxima de 970 km/h, teto de 43.000 ft e alcance de 970 km.

As primeiras unidades chegaram ao Brasil em 1953, permanecendo na ativa até 1974. Durante seu serviço na FAB, o Gloster Meteor realizou diversos tipos de missões, desde interceptações a ataque ao solo, inclusive uma na qual bombardeou, em 1961, uma ilha na costa do Rio de Janeiro para tentar conter uma crise de aranhas que estavam infestando a cidade, porém para surpresa de ninguém a ideia não deu certo, na realidade piorou a situação, pois a explosão espalhou mais ainda as aranhas.

Em 22 de abril de 1974, após 21 anos de serviço ativo, o Gloster Meteor fez seu último voo pela força aérea pousando na base aérea dos Afonsos no Rio de Janeiro para integrar-se ao acervo do museu, diversas outras unidades foram preservadas em museus, praças, coleções privadas e muitas outras foram vendidas como sucata. Com a aposentadoria desse modelo em mente, a partir de 1972 começaram a compor a frota da FAB os excelentes Mirage III supersônicos, que operaram até 2005.

Gloster Meteor no museu da TAM, em São Carlos
Gloster Meteor modelo TF-7 com dois assentos para treinamento

Referências

Conheça os jatos de combate que já voaram com a FAB

Gloster F-8/TF-7 Meteor

https://en.wikipedia.org/wiki/Gloster_Meteor#Specifications_(Meteor_F.8)

Gloster Meteor F.8